Seis mitos sobre INSEAD

Todos os anos, inúmeros candidatos nos perguntam sobre INSEAD. Dado o elevado perfil da escola, não é surpreendente que tantos candidatos pensem em aplicar para Fontainebleau e Cingapura. O que nos surpreende, porém, é como alguns equívocos comuns estão entre até mesmo os candidatos que tenham estudado extensivamente a escola através de brochuras e fóruns. É importante que você tenha esclarecido essas dúvidas por dois motivos :

a) Você terá real certeza de que Insead em qualquer uma de suas localizações é uma escola que corresponde ao seu perfil.

b) Com essas dúvidas sanadas você já terá tirado bastante de dúvidas sobre escolas correlatas na Europa como IMD, LBS, IESE e HEC.

Se você está considerando aplicar para INSEAD, pergunte-se:
Como você sabe se a escola é realmente uma boa escola para você?
Talvez, mais importante ainda é  como você sabe se o comitê de admissões de INSEAD irá decidir que você é um bom candidato para a escola?
Vamos considerar seis aspectos que os candidatos consideram que sabem sobre INSEAD, mas estão enganados.

Os mitos sobre INSEAD !

1) INSEAD é realmente uma escola global ou é apenas uma escola com modelo americano situada no exterior?

Enquanto INSEAD tem localização física em três países muito diferentes entre si, com alunos representando mais de 80 nações no campus, e tem sido bem sucedido em se definir como uma educação global, alguns ainda criticam INSEAD como sendo uma experiência escolar americana, dado o grande número de alunos norte-americanos que a freqüentam, a concentração de professores americanos, e as relações com muitas empresas americanas que prospectam alunos para empregos depois de formados. No passado, isso era simplesmente um reflexo do poder que os EUA têm nos negócios em todo o mundo, então era difícil perceber que INSEAD é uma grande escola Global sem imitar nenhum modelo americano com diversas empresas mundias prospectando alunos e professores das mais diversas regiões.  Independentemente da nacionalidade, todos os alunos e professores na INSEAD tem uma visão de mundo global, e todos estão interessados ​​em aprender sobre o negócio a partir dessa perspectiva mais ampla que simplesmente não é tão difundida em escolas americanas. As escolas americanas, porém vêm empreendendo um enorme esforço a partir das observações globais de INSEAD.

2) INSEAD é na França e assim eu preciso falar francês para aplicar.

Não – mas você precisa falar uma segunda língua para ganhar a entrada (e uma terceira para pós-graduação). Os cursos são ministrados em Inglês, não francês, e o programa gira através dos diferentes campo.  A principal exigência do idioma para aplicar é  um Inglês bom, embora os estudantes devem estar familiarizados com, pelo menos, mais uma língua antes de entrar, e devem demonstrar um conhecimento prático de um terçeiro durante o curso de estudo. As universidades costumam ter um ótimo setor de línguas no campus.

3) INSEAD só é bom para alguém que quer trabalhar na Europa.

A localização na França pode ser uma vantagem se seus objetivos são de ficar na Europa, no entanto, muitos graduados brasileiros querem ir para os EUA ou voltar para o Brasil, depois de terminar o curso. A procura por emprego nos EUA pode ser mais difícil para esses estudantes, mas isso também é verdade para os graduados brasileiros de qualquer programa internacional, incluindo aqueles na London Business School, HEC Paris, IE, IESE, entre outros. Já para voltar ao Brasil saiba que o alumni de INSEAD é gigantesco e as empresas contratam bastante alunos dessa escola por ser considerada pelo corporativo brasileiro tão importante como Harvard ou Stanford.

4) Alunos do INSEAD são mais velhos.

Na verdade, a idade média em cada turma atualmente é de 28 anos – o mesmo que para as escolas americanas, como Stern and Haas. A média de idade diminuiu nos últimos anos, pois INSEAD aceita uma ampla gama de perfis de candidatos, mesmo os com menor experiência profissional. Os candidatos aprovados em INSEAD definitivamente foram capazes de demonstrar nos applications o quanto eles estão prontos para a experiência, e muitas vezes os alunos já têm um nível elevado de experiências com diversidade e também, muitas vezes, realizações pessoais e profissionais relevantes para a escola mesmo com pouca idade.

5) Todos os alunos do INSEAD são patrocinados.

Assim como com outros programas de MBA de tempo integral, alguns alunos têm suas mensalidades cobertas por seus empregadores e irá voltar a trabalhar após a graduação, mas a grande maioria são financiados elos bancos parceiros da universidade. Estudantes patrocinados sentem mais segurança em ficar com o seu empregador  e isso é mais atraente para aqueles que perseguem seus MBAs, mas fazer um MBA em INSEAD é garantia de conseguir tanto um financiamento quanto de conseguir paga-lo depois e, ademais, no Brasil é muito difícil conseguir ser patrocinado pelas empresas.

A principal exceção a isso são os alunos que vêm da Big Three – McKinsey, Bain e Booz. Esses alunos geralmente são patrocinados, em troca de um compromisso de regressar à sua empresa. Mesmo assim essas três empresas também contratam alunos de INSEAD que não foram patrocinados por elas.

6) INSEAD exige uma pontuação de GMAT estratosférica para entrar.

Na verdade, os resultados do GMAT, em média, são mais baixos no INSEAD. Este programa, como algumas outras escolas européias, valorizam uma variedade de atributos em um perfil rico do candidato, mais do que o GMAT em si.  Como acontece com qualquer programa de MBA, um GMAT alto pode ajudar, e um baixo GMAT pode dificultar, mas existem muitos outros fatores levados em consideração pelo Comitê de Admissões de INSEAD quando avaliam um pedido.

Bem, se tiver mais dúvidas e mitos basta nos procurar :

Seu nome (obrigatório)

Seu e-mail (obrigatório)

Seu telefone (obrigatório)

Comentário (obrigatório)