O que é o GMAT ?

Teste GMAT, Prova GMAT, Curso GMAT, Graduate Management Admission Test (GMAT)… Calma, o GMAT é bem diferente do que você imagina !

Hoje, neste post, eu vou listar 5 características desta prova que irão ajudar você a desmistificar este teste e estudar de forma correta e eficiente.

1) O GMAT não é uma prova onde o maior problema seja o pouco tempo que você tem por questão.

Em 2005, eu fui dar aula para uma turma no Rio de Janeiro, dentro do prédio da GV no Centro do Rio. Eu já possuía meu sistema de webconference, mas anunciei que queria dar aula presencialmente a uma turma no Rio de Janeiro e consegui 4 alunos. Fiz minhas malas e fui pra lá para um intensivo de duas semanas. Depois continuaríamos via webconference, porque duas semanas, em minha opinião, serviriam apenas para “limpar” todas as deficiências que eles tinham sobre a parte quantitativa teórica envolvida no GMAT e depois, o treino, seria feito ao longo de mais 4 a 6 meses. Bem, foi uma experiência bem interessante e até hoje guardo ela na lembrança.
Mas um caso interessante surgiu a partir dessas aulas. Como eu tinha muito tempo ocioso lá, pois o intensivão era só a noite e eu não tinha o que fazer durante o dia, resolvi caminhar na praia e depois ir para a GV ficar lendo e estudando administração. Lá eu conheci várias pessoas interessadas em fazer MBA e, conversa vai conversa vem, eu propus a 8 deles que fizessem a prova no modelo CAT.
Eles fizeram e tiraram notas ao redor de 500 pontos, o que eu considero muito acima da média de quem começa do zero. O fato é que esse grupo de 8 alunos da GV, estavam fazendo um mestrado lá e já estavam se preparando sozinhos para o GMAT há mais ou menos 4 meses.
Eu corrigi a parte de math com eles e começamos a conversar sobre a prova e todos diziam que “o ponto principal era o tempo reduzido por questão e que se tivessem mais tempo iriam bem melhor”. Bem, claro que eu propus uma segunda prova modelo CAT, onde eu desligaria o cronômetro. O software da 800 score permitia isso.
Ok, eles fizeram a prova com tempo ilimitado e…

A MÉDIA FOI RIGOROSAMENTE IGUAL.

Corrigindo a prova e discutindo sobre ela percebemos que eles começaram a pensar demais no Data Sufficiency e iriam marcar a certa, mas marcaram a errada pelos minutos a mais que começaram a cogitar coisas sem fundamento.
Não sou da área verbal, mas eles reportaram que ficaram decepcionados com o Reading Comprehension, pois achavam que, pelos textos longos, iriam bem melhor se pudessem “pensar mais”. Ok, puderam e não adiantou.
No problem solving alguns reportaram que ficavam fazendo checagens e que notavam que a primeira conclusão já havia sido a certa e é aí que está a chave do GMAT.

QUEM ESTÁ TREINADO, JÁ CHEGA A UMA PRIMEIRA CONCLUSÃO MUITO RAPIDAMENTE E VIA DE REGRA ELA É A CERTA, MESMO QUANDO O AUTOR, O QUE NÃO É FREQUENTE, TENTA FAZER COM QUE VOCÊ INCORRA EM ALGUMA “PEGADINHA”.

Quando a MBA House surgiu em 2006 com a solução integrada, eu criei uma primeira fase que proíbe terminantemente o uso de cronômetro para qualquer coisa e também fazer qualquer tipo de simulado nesta fase. Essa fase de nosso curso foi essencialmente consequente desse meu estudo no Rio.
Muita gente que estuda sozinho já começa marcando o tempo e fazendo sessões de questões medindo porcentagem ou percentil de acertos. Tudo no tempo. Esse comportamento fará com que você “queime” questões que no futuro te farão falta e no presente te dão uma noção errada do seu score.

O “PROBLEMA” DO GMAT NÃO É O TEMPO. O TEMPO É SEU AMIGO SE VOCÊ ESTIVER TREINADO DE FORMA CORRETA.

2) Saber gramática não te ajuda tanto assim para o GMAT e não te atrapalha nem um pouco não saber.

Tive o apoio de Vivianne Wright para escrever este item. Ela é escocesa, formada em NYU e mestranda em Harvard. Montou todo o material de GMAT Verbal da MBA House e sua didática que, mesmo tendo tido mudanças com nossos excelentes professores, mantém o escopo inicial.

Muitos alunos são influenciados por escolas não especialistas na prova do GMAT ou mesmo por professores particulares a acharem que o candidato que tem um forte conhecimento formal da língua inglesa terá uma vantagem competitiva difícil de bater. Isso não é verdade.

Em nossa escola de NY, temos 60% de alunos americanos e o restante de estrangeiros da Europa e também uma pequena parcela de brasileiros. Os alunos americanos não sabem gramática e conseguem marcas tão expressivas quanto os alunos brasileiros ou europeus que falam a língua inglesa como segunda língua. Ok, pêra lá, vc está falando que temos que falar inglês igual a um americano que não sabe gramática ??? Meu inglês no máximo é avançado !!!
Não, não é isso. Eu estou dizendo que o americano, o brasileiro e o europeu em nossa escola de NY entram num mesmo programa de treinamento para o GMAT e a evolução pode até partir de pontos diferentes, mas em poucos meses chegarão a pontos muito parecidos e isso não depende nem de fluência e nem de conhecimento formal da língua. O MBA não quer um professor de inglês lá dentro e tampouco um tagarela da língua inglesa. A prova então é elaborada para um treinamento específico que dotará o aluno de MBA a se expressar de forma concisa e rápida na língua inglesa e é esse treinamento que você deve procurar e isso leva meses e necessita que você tenha um inglês intermediário apenas, mas uma grande força de vontade de verificar e estudar as particularidades da prova acima de qualquer gramática ou qualquer fluência adquirida em seu ambiente de trabalho ou no seu intercâmbio profissional ou como estudante.

A PARTE VERBAL DO GMAT É ALGO BEM DIFERENTE DO QUE SEU PROFESSOR DE INGLÊS POSSA TE ENSINAR.

3) A parte quantitativa do GMAT não é uma prova de lógica.

Muitos candidatos nos procuram dizendo que querem estudar a parte de lógica do GMAT. Gente, o GMAT tinha sim lógica booleana, mas acabou em 1985.
A prova de matemática do GMAT é uma prova de conceitos básicos de primeiro e segundo grau de nossos colégios e jamais vai querer que você veja isso como algo tão técnico como uma prova de lógica. É completamente diferente a prova do GMAT ser uma prova técnica e pedir um raciocínio específico a ter uma lógica específica que se aproxima das provas de lógica pedidas nas décadas de 70 e 80 nos Estados Unidos.

A prova de matemática do GMAT tem dois tipos de questão. Uma você conhece, pois é tradicional. Uma pergunta e cinco alternativas, leitura, fórmula, raciocínio, memória, contas e resposta. Pronto. A outra, Data Sufficiency, segue os mesmos padrões de desenvolvimento, mas tem um algo a mais que é trabalhar com informações que não pedem para você chegar a um certo ou errado, mas sim dizer se com aquelas informações seria possível chegar a alguma conclusão única. Ahn ? Ok, para elucidarmos isso precisamos realmente estudar e a MBA House está de portas abertas para tentarmos gabaritar o Data Sufficiency da parte quantitativa do GMAT.

A PROVA DE MATEMÁTICA DO GMAT NÃO É UMA PROVA DE LÓGICA NEM AQUI E, PRINCIPALMENTE, NEM NA CHINA.
(Meu forte nunca foi ser engraçado…mas eu tento)

4) A prova do GMAT necessita muito mais de constância e assiduidade do que foco.

O aluno de GMAT acha que parar tudo para estudar e nem sequer pensar em seus applications irá ajudar a tirar um score melhor e mais rápido.
Isso não é verdade.

Certa vez, fui a uma palestra de um renomado professor de GMAT que disse entre outras coisas que “todo aluno já tem um número dentro dele”. Explicando, ele disse que todos já carregavam uma bagagem e dificilmente tirariam uma nota acima daquela “bagagem” mesmo que fizessem todo o esforço do Mundo para tirar uma nota acima daquele número que já era próprio do candidato. Muitos candidatos desistem da empreitada por conta disso o que é um tremendo erro. A MBA House não sabe se você tem um número e nem você sabe. A maioria de nossos alunos tiram ao redor de 350 de score no diagnóstico oficial que aplicamos no início dos trabalhos. A MBA House, segundo o GMASS (órgão estatístico da prova) tem 26% das notas 700 ou + de brasileiros no GMAT. Colhemos os dados de notas de brasileiros neste órgão e comparamos com nossos números de 2014. Então, por este motivo, eu acho difícil saber se alguém já tem um número imutável em 1 ano de estudo e no máximo em um ano de estudo conseguirá alcançar este número imutável.

O fato é que não é largando o emprego e focando 8 horas por dia na prova que você conseguirá melhorar gradualmente esta nota. Pelo contrário, muitas vezes aconselhamos nossos alunos a tirarem uma ou duas semanas para focarem só nos applications e deixar as moléculas de RNA mensageiro construírem sozinhas o estudo de alguns meses que ele está tendo conosco. O estudo do GMAT deve ser constante como se você estivesse em uma academia e também realizado de um jeito que torna sustentável este estudo até você chegar a uma nota por volta de 680 a 720 nos simulados e aí sim faremos um plano de foco e imersão. Não sabemos quanto tempo isso vai levar, mas sabemos que, se você não der esse tempo para sua nota crescer, ou você irá desistir da empreitada ou você irá aplicar para uma escola que não é sua “queridinha”.

Nós acreditamos que, um aluno que estuda de 12 a 14 horas por semana, com orientação de um bom professor e material coordenado por vocês dois, conseguirá chegar ao redor de 700 depois de 6 a 8 meses de estudo.
Nós acreditamos também que, estudando sozinho desde o início, você crescerá até mais rápido do que com um estudo dirigido e chegará aos 620 em breve, mas irá parar por aí e sua segunda fase de estudos até irá mostrar que sua nota nos simulados está ao redor de 700, mas na hora da prova oficial você irá ficar ao redor dos 620. Será uma grande decepção.

A pior parte do MBA é a fase de estudos para ser aceito e muita gente quer tirar férias ou pedir demissão para passar logo essa fase dolorosa, mas essa fase dolorosa já tem que ser vista como o início de seu MBA. Estude com seriedade, pois a nota do GMAT com applications muito bem escritos será a diferença entre uma Insead e uma … (não posso dizer). Você irá fazer um MBA exclusivamente pelo career office que te dará emprego a vida toda e tudo começa com uma dedicação correta de preparação e não com uma dedicação exclusiva.

O FOCO DA PREPARAÇÃO DEVE SER GERAL : TRABALHO, GMAT, APPLICATIONS, TOEFL, VIDA PESSOAL, EXERCÍCIOS FÍSICOS, LAZER E LEITURA. MOSTRE DESDE O COMEÇO QUE VOCÊ CONSEGUE SE DEDICAR A TUDO ISSO COM PRAZER E ORGANIZAÇÃO.

5) NÃO SE PREOCUPE COM A NOTA DO AWA E COM O INTEGRATED REASONING.

Escrito por Vivianne Wright.

A parte do AWA e Integrated Reasoning também costuma gerar ansiedade para quem está estudando para fazer o teste do GMAT. “Além de ter que fazer a parte Quantitativa e Verbal, eu tenho que ir bem nestas duas partes também?” – o aluno quer obviamente chegar o mais próximo dos scores de 8 e 6 no IR e AWA, respectivamente. Mas a realidade é que o aluno se esquece do por que está fazendo o GMAT em primeiro lugar, e a resposta é : para ser aceito em uma Top Business School. Como esta é a razão central pela qual o aluno está estudando para o GMAT, ele não deve se preocupar tanto com o IR e o AWA.
O Integrated Reasoning é uma parte muito nova do teste do GMAT, que visa focar em interpretação de gráficos e estatísticas. Apesar da clara utilidade que tais aptidões trazem a um candidato a MBA internacional, a realidade é que os Admission Committees das Business Schools ainda não possuem massa crítica de avaliação para utilizar a nota de Integrated Reasoning como um fator decisório na seleção de candidatos por enquanto.
Em relação ao AWA (Analytical Writing Assessment) do GMAT, a realidade é que os Admission Committees se valem de outras avaliações para testar a qualidade da escrita do aluno de GMAT. Para tanto utilizam os Essays de seus applications e, tratando-se de um candidato internacional, do TOEFL ou IELTS. Tanto é que, a nota do Integrated Reasoning Não possui uma nota média estabelecida pelas Business Schools ou mesmo uma nota mínima para o AWA.

FAÇA AS AULAS DE AWA E INTEGRATED REASONING DA MBA HOUSE E VOCÊ JÁ GARANTIRÁ UM SCORE SUFICIENTE NESTAS DUAS PARTES DO TESTE DO GMAT, ALÉM DE TÉCNICAS QUE ENSINAREMOS PARA PROCEDER ÀS DUAS PRÓXIMAS PARTES (MATH E VERBAL) DESCANSADO.

Entre em contato conosco :

Seu nome (obrigatório)

Seu e-mail (obrigatório)

Seu telefone (obrigatório)

Comentário (obrigatório)